A tradução automática poderia tornar a ciência em língua inglesa acessível a todos

Traduza seu trabalho para o idioma local

aprendizado por máquina usando inteligência artificial melhorou a tradução automática ao longo da última década, mas artigos científicos empregando jargões especializados ainda são um desafio para a tradução por máquina. Assim, cientistas deveriam priorizar a tradução de artigos do inglês para outros idiomas a fim de proporcionar um cenário equitativo para os cientistas em início de carreira ao redor do mundo, argumentam os pesquisadores da UC Berkeley. (Crédito de imagem: Valeria Ramírez-Castañeda, UC Berkeley

Tradução automática pelo DeepLTranslator e verificado por Débora Y. C. Brandt

Ainda no ensino médio, Xinyi Liu trabalhou brevemente em um laboratório da Universidade de Beihang em Pequim e ficou surpresa ao ver pesquisadores chineses usando rotineiramente o Google Translate para gerar o primeiro rascunho de trabalhos científicos em inglês. A tradução é uma obrigação se os cientistas quiserem submeter trabalhos em periódicos de alto nível, quase todos em inglês.

“Era normal que os posdocs usassem apenas o Google Translate para primeiro traduzir tudo e depois modificar e polir o texto. Mas depois da primeira tradução, o artigo como um todo ´já não fazia sentido”, disse Liu, uma aluna de terceiro ano na Universidade da Califórnia, Berkeley, que cursa graduação em biologia molecular e celular. “Todas as palavras, todos os termos eram juntados um ao outro literalmente ao acaso”.

Tinha que haver uma maneira melhor, pensou ela.

Assim, no ano passado, quando ela viu um novo curso sobre a quebra de barreiras linguísticas na ciência sendo ministrado por Rebecca Tarvin, ela se inscreveu.

Essa disciplina, que será ministrada na UC Berkeley pela terceira vez na primavera de 2023, foi um balão de ensaio para Tarvin, uma professora assistente de biologia integrativa. Com renovado interesse do campus por diversidade, equidade e inclusão, ela e grupos de trabalho dentro de seu departamento pensaram que a disciplina poderia ajudar a UC Berkeley a abordar uma questão antiga na ciência: o inglês, a língua dominante da ciência, é um grande obstáculo para os cientistas que não são falantes nativos de inglês.

Não são apenas os estudantes e cientistas estrangeiros que estão em desvantagem quando a ciência é comunicada principalmente em inglês. Os estudantes estadunidenses também são afetados. No outono de 2020, cerca de 40% dos calouros da UC Berkeley faziam parte da primeira geração de suas famílias a frequentar uma universidade (estudantes de primeira geração), e dentro do sistema de 10 campi da Universidade da Califórnia, 39% dos estudantes de primeira geração cresceram com uma língua diferente do inglês como sua primeira língua.

“Muitos de nossos alunos da Califórnia cresceram traduzindo para seus pais”, disse Tarvin. “A tradução é parte de suas vidas desde muito jovens”.

Para Tarvin, a disciplina – Quebrando as Barreiras Linguísticas em Evolução e Ecologia – foi uma “oportunidade tanto para ensinar aos estudantes habilidades no campo da tradução, quanto para incentivar os estudantes a serem ativistas neste âmbito de mudança estrutural. E, de fato, tenho visto uma recepção muito positiva a esse tipo de ativismo por parte dos alunos, pois todos eles parecem concordar que abordar as barreiras linguísticas é realmente importante depois de fazer o curso”.

A disciplina levou Tarvin e alguns alunos de pós-graduação da UC Berkeley, juntamente com colaboradores no Canadá, Israel e Hungria, a escrever um artigo científico avaliando novas ferramentas de tradução automática que podem ser usadas por pessoas em todo o mundo para tornar seus artigos científicos publicados em inglês acessíveis também a pessoas que não falam inglês. O artigo foi publicado on-line hoje (3 de agosto) na revista BioScience. Traduções para espanhol, francês, português e húngaro, os idiomas dos co-autores, também estão online.

“A ideia aqui é que estamos tentando dar às pessoas as ferramentas e motivação para traduzir suas próprias pesquisas científicas”, disse Tarvin. “A ciência não precisa se basear em uma única língua. E há muitos benefícios adicionais que vêm da incorporação de abordagens multilíngues em todas as etapas da ciência. Por exemplo, a publicação em vários idiomas beneficiará a sociedade por meio de uma melhor divulgação da ciência”.

“Idiomas podem ser uma barreira, mas também podem ser uma ferramenta fantástica para aproximar as pessoas”, enfatizou Emma Steigerwald, que é a primeira autora do trabalho e uma estudante de pós-graduação da UC Berkeley em ciências ambientais, políticas públicas e administração. “É uma barreira que podemos superar usando esta nova tecnologia. Falamos sobre a tecnologia e como ela pode ser implementada, do que precisamos estar cientes quando usamos a tecnologia, e todas as formas maravilhosas e positivas como a divulgação científica pode ser transformada, trazendo esta nova tecnologia à tona”.

Rumo a uma rede científica multilíngue

Até recentemente, a tradução automática era alvo de piadas. Pessoas compartilhavam exemplos engraçados de erros de tradução, às vezes em tom depreciativo em relação a outros idiomas além do inglês e, portanto, depreciativo em relação a outras culturas.

Mas o aprendizado por máquina, ou inteligência artificial, aumentou drasticamente a precisão da tradução na medida em que turistas usam serviços online como o Google Translate para se comunicar em países onde não dominam a língua local.

Mas para textos que contêm muito jargão – em grande parte jargão científico, mas também de muitos outros campos acadêmicos – o Google Translate é terrivelmente inadequado.

“A qualidade da tradução não é suficiente para uma revista científica”, disse Ixchel González-Ramírez, uma das alunas de pós-graduação que foi mentora no curso. “Muitas vezes, as pessoas têm que pagar um tradutor profissional para traduzir seu trabalho, e isso é muito caro”.

O novo trabalho destaca alguns dos numerosos serviços – a maioria deles gratuitos – que podem converter a escrita científica em língua inglesa para outros idiomas. Além da conhecida plataforma Google Translate, estes incluem DeepL, que usa redes neurais e afirma ser muitas vezes mais preciso do que os concorrentes ao traduzir do inglês para o chinês, japonês ou alemão; Baidu Translate, um serviço da empresa chinesa de Internet Baidu que inicialmente se concentrou na tradução entre inglês e chinês; Naver Pagago, um tradutor multilíngue criado por uma empresa na Coréia do Sul; e Yandex.Translate, que usa tradução automática estatística e se concentra principalmente em russo e inglês.

“A tradução está se tornando cada vez mais acessível a qualquer pessoa. Quer você seja ou não um especialista e quer seja ou não bilíngue, a capacidade de traduzir é muito acelerada por tantas tecnologias que temos disponíveis hoje”, disse Steigerwald. “Então como podemos integrar isso em nossa rotina de trabalho como cientistas, e como isso muda as expectativas em torno da divulgação científica”?

O inglês é a língua franca da ciência

O interesse de Tarvin na tradução surgiu de uma de suas alunas de pós-graduação, Valeria Ramírez Castañeda, que em 2020 publicou um trabalho descrevendo os custos incorridos por seus colegas colombianos doutorandos que queriam publicar ou interagir com colegas em um mundo dominado pelo inglês.

Como bióloga evolutiva interessada em como alguns animais desenvolveram o uso de veneno, Tarvin decidiu focar sua nova disciplina na tradução de trabalhos nas áreas de evolução e ecologia, mas os estudantes que se inscreveram acabaram trilhando seus próprios caminhos. Ela procurou particularmente estudantes, como Liu, e mentores, como González-Ramírez, que são bilíngues ou multilíngues.

“Todos na disciplina tiveram algum tipo de relação com línguas no núcleo familiar”, disse Tarvin.

Tarvin também pediu a Mairi-Louise McLaughlin, professora de francês e linguística da UC Berkeley e especialista em tradução jornalística e literária, para conversar com a classe sobre como os profissionais abordam a tradução e como a tradução afeta o significado. Os estudantes se identificaram com esse assunto quando eles tentaram traduzir resumos científicos e às vezes artigos inteiros.

Ruoming Cui, uma estudante de segundo ano que fez o curso na primavera de 2022, escolheu o Baidu para traduzir resumos científicos. Ela descobriu imediatamente que as frases longas e complexas do inglês e o uso de várias palavras para descrever um conceito soavam redundantes quando traduzidas para o chinês.

“Normalmente não fazemos isso em chinês porque torna as frases super longas, e muito entediantes”, disse ela.

Liu acrescentou que sem um polimento considerável, muitas traduções em inglês ficam distorcidas, disse ela.

“Eu ouvi falar que mesmo que seu resultado seja incrível, se você escrever um artigo confuso devido à tradução, as pessoas ficarão irritadas porque não conseguem entender o que você está fazendo”, disse Liu. “E isso afetará muito a forma como as pessoas avaliam a pesquisa ou até mesmo se chegarão a ler essa pesquisa. Acho que essa é uma grande barreira no mundo científico”.

Steigerwald, Tarvin e seus co-autores também perceberam que escrever trabalhos científicos em inglês mais claro – algo que os não-cientistas vêm encorajando há muito tempo – beneficia tanto os falantes de inglês quanto os não-ingleses.

“Se sua primeira língua não for o inglês, e você estiver apenas tentando ler a versão em inglês do artigo, ele será muito menos ambíguo e muito mais legível quando o escritor tiver usado uma linguagem simples”, disse Steigerwald. “Mas também, muito importante, quando você for traduzir aquele texto, as ferramentas de aprendizagem de máquina terão muito mais facilidade de traduzir algo que está escrito em linguagem simples. Portanto, isto é como tornar sua escrita “à prova de futuras traduções”, de modo que se alguém quiser traduzi-la para um milhão de idiomas, terá muito mais facilidade quando ela for escrita dessa maneira”.

Ainda há obstáculos à disseminação da tradução de artigos científicos, incluindo onde disponibilizá-los e como lidar com os direitos autorais. A maioria dos periódicos nem sequer aceita artigos que não estejam em inglês, e poucos permitem explicitamente a co-publicação de artigos com uma tradução. Tarvin descobriu que poucas revistas têm sequer alguma política sobre traduções e, como resultado de restrições genéricas de direitos autorais, muitas editoras cobram taxas exorbitantes para postar uma tradução on-line após a publicação.

“É bastante surpreendente como muitas revistas não permitem que você publique traduções livremente após a publicação, e como poucas têm espaço em suas plataformas onde seria possível ter um resumo em uma segunda ou terceira língua”, disse Tarvin. “Eu acho que uma grande barreira são as plataformas de publicação; não apenas as regras de publicação e direitos autorais, mas também a funcionalidade da plataforma”.

Com a disciplina Breaking Barriers e agora o artigo na BioScience, Tarvin e colegas esperam mudar gradualmente a norma na ciência para, por padrão, traduzir trabalhos para outros idiomas além do inglês, especialmente o idioma do país onde a pesquisa foi feita e os idiomas dos co-autores.

Além disso, quanto mais traduções houver, mais material há para treinar de sistemas de tradução automática para que façam um trabalho melhor, aumentando gradualmente a qualidade da tradução científica.

“Em meu laboratório, estamos traduzindo muitas de nossas pesquisas, e agora as pessoas no laboratório da Emma estão fazendo isso também”, disse ela. “Acho que compartilhar nossa atitude positiva sobre a tradução científica e como isto pode fazer a diferença para algumas pessoas influenciou um pequeno, mas crescente, grupo de pessoas que estão começando a incorporar a tradução em sua rotina de trabalho científico”.

Outros co-autores do artigo na revista BioScience incluem as doutorandas Valeria Ramírez-Castañeda e Débora Y. C. Brandt da UC Berkeley; András Báldi do Instituto de Ecologia e Botânica do Centro de Pesquisa Ecológica em Vácrátót, Hungria; a pós-doutora Julie Teresa Shapiro da Universidade Ben-Gurion do Negev em Be’er Sheva, Israel; e Lynne Bowker, professora de tradução e interpretação na Universidade de Ottawa no Canadá.

Nota da tradução em português. Esta tradução foi realizadapela primeira vez com o versão gratuita do tradutor www.DeepL.com/Translator e posteriormente revisada pela coautora doartigo DYCB, que cresceu no Brasil e fala português como língua materna. No entanto, caberessaltar que DYCB não é tradutora profissional, nem especialista na língua portuguesa.

RELATED INFORMATION